fbpx

Como montar um consultório odontológico: os 7 principais cuidados

Decidir abrir uma nova clínica odontológica é algo que exige preparo dos dentistas e não é incomum encontrarmos profissionais com dúvidas sobre como montar um consultório odontológico.

Afinal, é preciso considerar diversos pontos para que o empreendimento tenha sucesso, como definição exata do local, questões legais e referentes à Vigilância Sanitária e também os aspectos comerciais, como serviços e preços.

Normalmente isso não é ensinado na faculdade e apesar de esse ser um caminho procurado pela maioria dos profissionais, nem todos os dentistas sabem exatamente o que é preciso considerar nesse planejamento.

É o seu caso? Então confira as dicas importantes que separamos e saiba exatamente como montar um consultório odontológico!

Os principais cuidados para abrir uma nova clínica odontológica

Se você está pensando em montar um consultório odontológico, é preciso considerar alguns pontos, garantindo o sucesso do empreendimento. Separamos os mais importantes. Confira.

#1- Entenda quem será o seu público-alvo

Assim como as diversas especializações na odontologia, também existe uma variedade de públicos – e nem todos eles se tornarão seus pacientes.

O primeiro ponto antes de abrir a clínica odontológica, portanto, deve ser entender quem são as pessoas que você deseja atrair para o seu negócio.

Quanto mais informações você tiver sobre essas pessoas, mais fácil será moldar o seu negócio. Pensando, por exemplo, na localização ideal dentro da rotina desses pacientes, nos serviços mais adequados, formas de comunicação e marketing etc.

É claro que esse passo não deve ser realizado no “achismo”, mas sim com bases adequadas.

Faça pesquisas de mercado, crie formulários, faça entrevistas ou use os dados do Sebrae e do CRO da sua área de atuação.

Algumas boas informações que devem ser tabuladas são:

  • local onde essas pessoas residem ou trabalham;
  • faixa de renda;
  • idade;
  • escolaridade;
  • problemas bucais mais comuns;
  • formas de comunicação mais usadas;
  • entre outros.

#2- Avalie a concorrência

Qualquer plano de negócios deve, sempre, considerar a análise da concorrência. E com as clínicas odontológicas isso não é diferente.

Você precisará ter uma ideia de quem são seus principais concorrentes, onde eles se localizam, os serviços que prestam, faixa de preços, atrativos e diferenciais e outras informações.

Cruzando esses dados com as informações do seu público, você poderá pensar em novas oportunidades de negócio.

Por exemplo, pode ser que ao analisar essas informações, você note que existe uma parcela de pacientes que não são bem atendidos porque precisam de horários fora do expediente tradicional.

Essa pode ser uma maneira de diferenciar o seu novo consultório, oferecendo horários alternativos e conquistando esse público que está insatisfeito com as opções disponíveis no mercado.

Você sabia que, segundo relatório das “19 descobertas sobre atendimento que podem te ajudar a dobrar o faturamento”, o horário mais procurado pelos pacientes que agendam através do Facebook usando a automação do atendimento Cloudia é no sábado as 10h?

Outra análise relevante é: quais canais de marketing estes concorrentes utilizam para captar novos pacientes? Indicação, Google Adwords, Panfletagem, Redes sociais (saiba aqui como verificar se o seu concorrente faz anúncios no Facebook e visualizar as campanhas dele).

#3- Pense nos diferenciais da sua marca

Por que as pessoas se consultariam na sua clínica odontológica e não nas que já existem?

Sempre que uma nova marca for lançada no mercado, ela, obrigatoriamente, precisará ter um diferencial perante às que já existem.

Ser mais um consultório entre tantos não fará com que você conquiste mais pacientes.

Por isso, se você deseja que a sua nova clínica odontológica seja um sucesso, é importante oferecer algo a mais para seus pacientes.

Esse é o momento de definir o propósito da sua marca e o seu posicionamento, que funcionam como uma espécie de promessa feita aos pacientes.

São muitas as maneiras de diferenciar o seu negócio. Por exemplo, oferecendo serviços inovadores e diferentes da concorrência, usando novas tecnologias, estendendo o horário de atendimento, sendo mais atencioso com os pacientes e trabalhando o marketing de relacionamento, ficando melhor localizado, etc.

#4- Defina a localização da clínica odontológica

A localização é um item que você precisa pensar antes mesmo de abrir uma nova clínica odontológica.

E essa escolha deve ser feita, basicamente, considerando as características do seu público e a presença da concorrência.

É importante que o seu consultório fique em um lugar onde seus pacientes frequentem. Seja próximo das suas residências ou ainda perto do trabalho deles e de outros pontos de interesse. Assim será mais fácil para que essas pessoas consigam acessar sua clínica.

Além disso, você deve considerar:

  • presença de estacionamento;
  • zoneamento da cidade (o ponto precisa estar dentro da zona comercial);
  • facilidades de acesso (rua conhecida pelo seu público, com placas e sem trânsito);
  • nível de segurança (se você for atender em horários alternativos, como à noite, o bairro precisa ser seguro para o seu trabalho e para seus pacientes);
  • presença de outros concorrentes no entorno (caso existam vários consultórios na mesma rua, isso poderá gerar certa confusão nos seus pacientes e será mais difícil diferenciar a sua marca);
  • proximidade com meios de transporte público, como linhas de ônibus, metrô ou pontos de táxi;
  • tráfego de pessoas caminhando nas proximidades deste ponto.

#5- Avalie a infraestrutura do imóvel

Nem todos os imóveis comerciais podem ser transformados em uma clínica odontológica.

Então, antes de fechar a compra ou o aluguel do ponto, considere se o local está de acordo com as normas da vigilância sanitária, com as suas necessidades para o atendimento e também com as características do seu público.

Um dentista que atenderá idosos ou pessoas com deficiência, por exemplo, precisa buscar um imóvel que seja (ou que possa ser) adaptado a esse público, com rampas de acesso, portas dos banheiros mais largas, cômodos adaptados etc.

Algumas regulamentações da Anvisa que precisam ser seguidas são:

  • área de atendimento individual com, no mínimo, 9m² e equipada com instalações hidráulicas (água fria e esgoto), iluminação, ventilação e, se necessário, gases medicinais;
  • sala de espera com área mínima de 1,2m²;
  • depósito de materiais de limpeza com área mínima de 2m² (o depósito precisa ser equipado com tanque);
  • sanitários para pacientes com área mínima de 1,6m²;
  • central de materiais esterilizados, podem ser dois ambientes ou uma bancada com pia e equipamentos de esterilização;
  • acabamentos em toda a clínica deve ser monolíticos, ou seja, de materiais lisos e sem ranhuras;
  • as paredes devem ser pintadas com tintas laváveis e à base de PVC, poliuretano ou epóxi;
  • rodapés devem ser arredondados para facilitar a limpeza.

A Anvisa ainda faz outras exigências em relação à iluminação, sistemas elétricos, climatização, abastecimento de água etc. Para mais informações específicas, você pode acessar o Manual de Serviços Odontológicos do órgão.

#6- Faça um planejamento financeiro

Abrir uma nova clínica odontológica deve seguir os mesmos parâmetros da abertura de uma nova empresa. Isso significa que você deve se preocupar, também, com o aspecto financeiro. Afinal, sua clínica precisará dar lucro para se manter e crescer.

Antes de começar a operar, liste todos os custos fixos e variáveis que o consultório terá como: aluguel do ponto, reformas, compras de equipamentos, plano de marketing, desenvolvimento da marca, contratação de funcionários, taxa de abertura de empresa, condomínio, energia elétrica, água, telefone, internet etc.

A partir dessa estimativa, você conseguirá definir qual deverá ser o seu capital inicial e o capital de giro, bem como ter uma ideia de quantos pacientes será preciso atender por mês apenas para cobrir os custos de funcionamento do negócio.

Pense, também, em como esse investimento inicial será levantado. São muitas as hipóteses como capital próprio dos sócios, empréstimos, financiamento empresarial e outros.

Defina, ainda, o valor que será cobrado por cada serviço. Para isso, considere a média cobrada pela concorrência, os seus custos diretos e indiretos e a margem de lucro.

#7- Monte um planejamento operacional

Como montar um consultório odontológico

Agora é o momento de colocar no papel os recursos físicos e humanos que você precisará para abrir uma nova clínica odontológica.

Ou seja, como será a operação do seu negócio. Liste os funcionários que você precisará contratar nesse primeiro momento, como recepcionista, outros dentistas, equipe de limpeza etc.

Avalie também se você, sozinho, será capaz de realizar a quantidade de atendimentos necessários para cobrir os seus custos de operação.

#8- Desenvolva um plano de marketing

Por último, lembre-se que você precisará atrair novos pacientes para a sua clínica odontológica. E isso só será realizado caso você tenha uma boa estratégia de marketing.

Mesmo que não seja especialista na área, tente elaborar um plano de ação, sempre considerando as características do seu público e o posicionamento da sua marca.

Nesse plano, indique:

  • as formas como atrairá novos pacientes (internet, planos odontológicos, outdoors, panfletos etc.);
  • missão, visão e valores do seu consultório;
  • características, personalidade e diferenciais da sua marca;
  • posicionamento de mercado;
  • orçamento para cada ação publicitária;
  • entre outros.

Como montar um consultório odontológico: principais dúvidas sobre o assunto

Como dissemos, montar um consultório odontológico é algo que sempre gera dúvidas e insegurança nos profissionais. Afinal, é preciso bastante planejamento para garantir o sucesso.

Nós separamos algumas das principais dúvidas nesse momento – e que podem lhe ajudar a tirar o seu sonho do papel.

Quanto custa montar um consultório odontológico?

É muito difícil estimarmos uma média de custos para abrir um consultório odontológico. Afinal, esses valores podem ser bem diferentes dependendo da região, do imóvel, do bairro e até da sua especialidade (que poderá necessitar de equipamentos diferenciados).

Uma média geral do setor é um investimento em torno de R$ 50 mil – incluindo desde a locação do espaço, até deixá-lo equipado. Mas, essa é uma média. Isso significa que, dependendo da sua região, será possível montar um consultório de dentista com menos ou mais do que esse valor.

A forma mais sensata de descobrir isso é fazendo um levantamento de custos para o seu caso. Coloque no papel tudo o que você precisará desembolsar e faça uma pesquisa de mercado para entender a média desses custos. Em geral, será preciso:

  • locação ou compra de um imóvel ou sala comercial (preço varia de acordo com a região e o tamanho);
  • adaptação da estrutura elétrica e hidráulica para receber os equipamentos;
  • acessibilidade;
  • compra de móveis e equipamentos;
  • sala de esterilização;
  • área de depósito;
  • decoração da sala de espera;
  • reforma de sanitários;
  • outros custos (telefonia, internet, marketing etc.).

Também vale a pena pensar em outras alternativas, como as franquias, os coworkings odontológicos ou o aluguel de consultórios já equipados. São várias as possibilidades e é importante entender os custos de cada uma (tanto o custo inicial como o operacional), analisando qual é melhor para sua realidade.

O que é preciso para montar um consultório odontológico?

Para começar a operar, você precisará dos equipamentos odontológicos básicos. Eles também podem variar dependendo da sua especialidade e da quantidade de profissionais que atenderão no consultório.

O mínimo necessário é:

  • cadeira odontológica;
  • pedal de comando;
  • mesa do equipo;
  • refletor;
  • mocho;
  • kit alta e baixa rotação (além de um kit reserva);
  • bomba à vácuo;
  • autoclave;
  • fotopolimerizador;
  • jato de bicarbonato;
  • caneta de ultrassom;
  • compressor;
  • aparelhos de Raio-X;
  • câmara escura.

Isso apenas para o seu consultório. Mas, lembre-se que você também terá que equipar a sala de espera. Nesse caso, será preciso:

  • computador para secretária;
  • telefone;
  • purificador ou bebedor de água;
  • móveis (cadeiras de espera, sofás, poltronas etc.);
  • televisão.

Uma sala de espera bem equipada e confortável faz toda a diferença na imagem que seu paciente terá de você e também em toda a experiência dele com o seu consultório. Por isso, vale a pena pensar em itens adicionais como ar condicionado ou ventiladores, revistas, café ou chá etc.

E, claro, além dos equipamentos, não se esqueça dos materiais básicos para trabalhar, que precisam estar incluídos no seu estoque (e no seu planejamento financeiro), como:

  • resinas;
  • anestésico sem vaso, com vaso e tópico;
  • bicarbonato de sódio;
  • cariostático;
  • cimento endodôntico;
  • cimento cirúrgico;
  • clorexidine de 0,12% e 2%;
  • cones guta e cones acessórios;
  • cunhas de madeira;
  • dessensibilizante;
  • Dycal;
  • discos soflex;
  • flúor tópico e flúor verniz;
  • EDTA;
  • formocresol;
  • hipoclorito;
  • hemostesin;
  • ionômetro de vidro;
  • matriz metálica;
  • IRM;
  • paramono;
  • pasta de polimento de resinas;
  • pasta profilática;
  • selante;
  • roletes de algodão;
  • tartarite;
  • sugadores;
  • tiras de poliéster;
  • tiras de lixa metálica;
  • tricresol.

Essa é uma lista básica que poderá variar dependendo da sua especialidade. A dica é tentar fazer uma compra mensal, pensando em quais itens podem ser estocados por mais tempo. Quando você faz uma compra com volume maior, pode negociar com os fornecedores e garantir mais descontos.

Licenças

Lembre-se da burocracia. As licenças são essenciais para abrir um consultório odontológico. As mais importantes são:

  • licença da Vigilância Sanitária;
  • CNES (Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde);
  • Alvará da Prefeitura;
  • certificado da LIMPURB.

Cada uma dessas licenças e autorizações possuem questões próprias, como adequação da estrutura do imóvel, localização em zona comercial, entre outras. Por isso é importante conferir em cada órgão o que é preciso fazer para atuar de maneira legalizada.

Como fazer marketing para dentista?

É impossível falarmos sobre como montar um consultório odontológico, sem citarmos o marketing para dentista, não é? Inclusive esse foi um dos pontos que elencamos como primordiais no tópico anterior.

O plano de marketing é um dos documentos mais importantes nesse sentido – e que deve conter as informações essenciais sobre seu público e os diferenciais da sua marca (itens que você já tem em mãos no seu planejamento, certo?).

Algumas dicas que podem ajudar a atrair mais pacientes são:

  • usar as redes sociais em que seus pacientes estão presentes, geralmente Facebook e Instagram;
  • criar páginas e perfis profissionais nessas redes;
  • usar a regra dos 80-20 para as postagens, ou seja, 80% de conteúdo informativo e 20% de conteúdo promocional sobre sua marca;
  • seguir as orientações do Código de Ética;
  • desenvolver conteúdos informativos e interessantes de acordo com o público que você deseja atrair, como tira dúvidas, explicações sobre procedimentos e outras questões referentes aos cuidados odontológicos;
  • usar os stories para mostrar os “bastidores” da sua clínica, como cursos que vocês estão fazendo, novas certificações, tecnologias adquiridas etc.;
  • interagir com os usuários, respondendo a todos os comentários e mensagens enviadas;
  • publicar com frequência;
  • investir em anúncios e impulsionamentos para atingir mais pessoas;
  • usar boas imagens ou fazer pequenos vídeos com qualidade;
  • evitar misturar assuntos e contas pessoais com o do consultório;
  • lembrar de definir um orçamento específico para o marketing;
  • mensurar suas ações para saber o que está funcionando e o que precisa ser alterado.

Conclusão sobre como montar um consultório odontológico

Neste conteúdo, você viu as principais dicas de como montar um consultório odontológico.

Embora não exista um caminho único, o mais importante é ter um planejamento sólido e consistente, considerando pontos essenciais como a definição do seu público-alvo e os diferenciais do seu negócio, a necessidade de capital (para investimento e capital de giro), os custos fixos e variáveis, as legislações específicas e também as ações de marketing.

Com todas essas dicas, certamente o seu novo consultório odontológico tem tudo para se tornar um sucesso! Se você quiser aprender mais sobre marketing para dentistas, baixe o nosso e-book e descubra como transformar o Facebook da sua clínica em uma máquina de atração de pacientes!

Comentários